segunda-feira, 11 de junho de 2007

O jeito Polishop de vender...

Nesta história do Mobilis ser vendido na Polishop só uma coisa me deixava mais intrigado que o preço de R$ 340, bem dissonante como o que identificamos como o Capitalistmo "à brasileira": a perspectiva de que o produto estivesse disponível já em julho, pouco mais de 1 mês depois do anúncio definitivo da criação da empresa Encore do Brasil e da montagem da linha de produção.
Mesmo com o projeto todo pronto e desconsiderando as mudanças anunciadas (ou não), componente e peças devem ser encomendados para serem fabricados localmente e importados por via marítma (avião é muito mais caro). De qualquer maneira, nunca pareceu viável que o produto final estivesse nas prateleiras televisivas da Polishop de fato em 1o de julho.
Aí, assistindo a sua programação na TV neste feriado, reparei que em meio a produtos de marcas mais conhecidas como mallory, Walitta e Philips a Polishop anuniava alguns itens (sem preço) como pré-venda. Nada mais cômodo, com os 500.000 Mobilis já encomendados, ela está livre para propagandear o produto e recolher os primeiros pedidos, ao melhor estilo "caixeiro viajante".
Uma boa estratégia que lhe dará destaque e primazia, além de permitir "medir" o interesse real do consumidor. Tudo isso sem ter de esperar o primeiro lote ficar realmente pronto.

3 comentários:

Ricardo Macari disse...

Parabéns pela cobertura e continue o bom trabalho. Estou acompanhando a saga desse dispositivo pelo seu site.

Abracos!

Jaime Balbino disse...

Obrigado Ricardo. vamos continuar torcendo para tudo dar certo.

Anônimo disse...

Estou ansioso para ver esse mobilis tbm. A quanta não ia vender um equivalente do projeto olpc ?

Estou curioso sobre as configurações que ele vai vir...