quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Porque a OLPC não participou do leilão do UCA

Questionei David Cavallo, representante da OLPC na América Latina, sobre a não participação da organização no último leilão do UCA. Recebei uma curta resposta, ainda não-oficial.

O principal ponto foi a impossibilidade da OLPC cumprir algumas exigências do edital. Complementa ele: "é positivo que nem todos consigam cumprir todos os requisitos (alguns até contraditórios, como o de ter somente software livre mas também incluir o Flash)".

Ao que parece a não participação no pregão foi uma opção consciente da ONG e também deve ter influído o pouco tempo para se organizar depois da publicação do edital (12 dias).

David também disse que a OLPC vai muito bem e tem crescido sobremaneira nos outros países da América Latina e na África. Inclusive ele pessoalmente tem tido muito trabalho implementando o projeto nestes dois continentes.

Talvez tenha "faltado perna" e interesse em dissecar a burocracia brasileira. A OLPC não é muito chegada em disputas abertas com regras que a obrigariam a readequar seu modelo de trabalho. É mais fácil para ela entregar equipamentos e ajudar a formar educadores, sem ingerência explícita e preocupações exageradas com suporte técnico.


Um comentário:

Meira da Rocha disse...

Tiveram um ano para se preparar. Preferiram fazer pouco caso do Brasil.

Logo aqui, onde receberam tanto apoio.

Felizmente, a adoção de uma plataforma livre como Sugar na educação não depende de hardware, verbas, licitações, governos ou empresas. Depende apenas da vontade e organização de professores.